Voce está em: Estudos Bíblicos - Heresias nas Igrejas

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 2005
TEMA: HERESIAS NAS IGREJAS; O FALSO EVANGELHO!
AULA Nº 26

ASSUNTO: G12, AS VELHAS HERESIAS- PARTE 2

Texto: Hb 6. 1-6
Introdução:
Dando continuidade ao assunto G12, estaremos hoje aprendendo um pouco sobre a sua estrutura, embora haja variações entre as denominações que aderem ao movimento, basicamente a estrutura é igual. Vale lembrar que apesar de alegarem ser um modelo novo e verdadeiro que busca a unidade e a quebra de um sistema que dizem ser antibíblico; as igrejas que aderem ao G12 não abandonam o denominacionismo. Como explicar este fato então? Se a igreja em células é o que supostamente Deus quer, por que manter a bandeira denominacional? Se eles alegam que este é o modelo “primitivo”, pois dizem que não haviam igrejas organizadas como hoje, por que então manter a placa denominacional se não existiam ainda denominações? Isto é incoerente! Na verdade, cada líder quer e deseja ficar famoso pastoreando uma multidão de milhares de pessoas rapidamente e almeja que a sua denominação cresça de uma hora para outra (não importando se estão desagradando a Deus). Os líderes desejam levantar os seus respectivos ministérios fracassados ou de crescimento lento, ou ainda simplesmente são movidos pela ganância.

I ) A estruturado movimento G12

O modelo é estruturado partindo de um programa chamado “Escada do Sucesso”. Este programa tem 4 etapas, a saber:
Evangelização, consolidação, treinamento e envio.

I.1)Evangelização- Ocorre nas células que devem ter 12 componentes. Quando ela atingir 24, deverá se dividir em duas.
Duas coisas devem ser observadas:
1ª- O Proselitismo está incluído na suposta evangelização, ou seja, “pescar no aquário”.
2ª- O ensino fica sob a responsabilidade das células e não da igreja.

I.2)Consolidação- Neste ponto a fé do indivíduo é “amadurecida”. É aqui nesta fase que ocorre o “encontro. As finalidades do encontro são:
1ª- Libertar a pessoa através da cura interior e quebra de maldições.
2ª- Buscar ser batizado com o Espírito Santo.
3ª- A mais importante: Conduzir o participante à “visão”, ou seja, ao modelo G12. No encontro é feita a transição do modelo de igreja antigo para o G12. Este processo é chamado de “transicionar”, “receber a visão” ou “receber a unção da multiplicação”.
O encontro tem a duração de dois ou três dias e é feito em retiro, preferencialmente no final de semana. Antes do encontro há um pré-encontro e depois um pós-encontro.
Nos encontros são feitas palestras intensivas de várias horas de duração corridas, com extremo rigor de disciplina. Há a proibição de intercomunicação entre os participantes, e um grande apelo emocional.
Qualquer pessoa pode participar do encontro, desde que seja crente, ou seja, poderão participar crentes de todas as denominações que seguem o modelo ortodoxo de igreja, com um detalhe: Não precisam sair de suas denominações!

I.3)Treinamento- É feito nas denominações que aderiram a “visão” através da “escola de líderes”. São preparados, em cursos breves, os líderes que dirigirão as células de 12.

      I.4)Envio- É a última fase, quando o líder é enviado para assumir uma célula. Cada componente da célula se tornará um novo líder de células.

II) O que há de errado com a estrutura do G12?

A resposta é simples: O que acontece dentro dela!
Vejamos:

II.1- Nas células

a.O proselitismo que é feito em todas as seitas é repetido no G12. Para os adeptos, somente quem está na “visão” está correto. O fato de poder participar das células e encontros sem sair das igrejas de origem não é bondade, mais sim uma estratégia para penetrar a “visão” sorrateiramente dentro das igrejas, causando confusão e divisões. Mt 23.15; Rm 15.20
Por que anunciar a salvação a quem já é salvo?
b.O ensino passado nas células é contrário ao passado nas igrejas e os líderes das células são despreparados para ensinar e aconselhar; mas, em contra-partida, extremamente doutrinados para angariar adeptos e passar a “visão”.

II.2- Nos encontros

a.Nos encontros são utilizadas técnicas de lavagem cerebral através da massificação de informações sem tempo hábil para o raciocínio analítico e crítico dos participantes.
b.A influência das músicas com forte apelo para a aceitação da “visão” e o pensamento doutrinário do G12 é marcante nos encontros. As músicas são igualmente massificadas penetrando no inconsciente dos participantes (mensagem subliminar).
c.Existe um forte apelo emocional
d.O pacto de silêncio é algo simplesmente diabólico! A proibição de comunicação entre os participantes impede que os olhos sejam abertos para os absurdos por parte daqueles que porventura tenham percebido os erros e evita os questionamentos.
A proibição de contar o que ocorre nos encontros visa gerar curiosidade e fisgar mais vítimas.
Isto tudo cria em torno dos encontros um clima de misticismo e ocultismo.
e.A prática de doutrinas neopentecostais, prova que a origem do movimento não é do Senhor, pois estas doutrinas ferem a Palavra de Deus. Exemplo: Quebra de maldições, cura interior, terapias de regressão, libertação de espíritos familiares, etc... (Estas aberrações já foram refutadas nas aulas anteriores).
Estaremos estudando na próxima aula as doutrinas difundidas pelo G12.

II.3-No treinamento

Já dizia um dito popular: “A pressa é inimiga da perfeição!”.
Jesus gastou 3 anos para preparar os apóstolos.
Amados, tenho trabalhado arduamente na formação de líderes em minha igreja (existem obreiros que estão sendo preparados a mais de 7 anos. Cristo tem me preparado a cada dia e ainda sei que tenho muito a aprender); formar um obreiro é a coisa mais difícil que existe, mesmo sendo criterioso, muitas vezes aqueles que separamos desviam-se da verdade; até mesmo o Senhor não esteve isento de passar por esta luta (Mt 10. 1-4; 26.14-16; Jo 12. 4-8).
      A escassez de obreiros é o reflexo da sociedade atual dentro da igreja, onde as pessoas buscam os seus próprios interesses(II Tm 3. 1-5).
Jesus havia dito: “A seara é realmente grande, mas os ceifeiros são poucos...” (Mt 9.37,38; Lc 10.1e2).

Se as dificuldades são grandes nas igrejas sérias; o que dizer dos líderes “miojos” preparados no G12?

Separar um líder é mais do que tornar alguém apto para cuidar de uma célula, é mais do que uma questão de conhecimento teológico, ser líder é atender ao chamado de Deus e negar a si mesmo! Nem todos recebem de Deus este chamado!(I Co 12.28-30).
Que qualidade tem os líderes preparados pelo movimento G12?
Na realidade os “discípulos” não são apenas preparados para pregar a Cristo, mais são treinados principalmente para divulgar a “visão”; é como o treinamento de vendedores de um produto.II.4-No envio
  

São enviados para o que realmente?
Cuidar das células e divulgar as idéias dos seus líderes.

Conclusão:
A estrutura do movimento G12 está impregnada de costumes e práticas antibíblicas e está montada visando um crescimento rápido; embora este crescimento seja doentio.
Os líderes do G12 buscam espalhar a “visão” dentro das várias denominações evangélicas, angariando adeptos de suas idéias, exercendo, portanto, proselitismo.
Nos seus encontros encontramos uma mistura de sensacionalismo, heresias e lavagem cerebral.
Devidos as suas práticas, o movimento deve ser rejeitado, e não somente isso; deve ser combatido!