Voce está em: Estudos Bíblicos - Heresias nas Igrejas

ESCOLA BIBLICA DOMINICAL 2005
TEMA: HERESIAS NAS IGREJAS; O FALSO EVANGELHO!
AULA Nº 16
ASSUNTO: A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE - Parte 1

Texto: Ap 3.14-22

Introdução:
A teologia da prosperidade traz o ensino diabólico de que o cristão não deve ser pobre, adoecer ou sofrer; em outras palavras o cristão não deverá aceitar estas coisas em sua vida. Segundo esta teologia, o cristão deve ser próspero em todos os sentidos. Quando um crente tem problemas de saúde ou dinheiro é porque alguma coisa está errada em sua vida. Para a teologia da prosperidade, ter dinheiro significa ter fé!
 Usam textos como: Sl 37.25; Mt 18.18-19; Lc 17.6; Jo 14. 12-14; Rm 8.31; Fp 4.13.
Citam exemplos de personagens do Antigo Testamento, como por exemplo: Abraão (Gn 24.1) ,Jacó (Gn 30.43), José (quando governador do Egito), o rei Davi, o rei Salomão, Daniel (quando morou no palácio do rei) etc...
Na aula de hoje estudaremos sobre a verdade bíblica quanto à prosperidade financeira, nas aulas seguintes continuaremos a estudar sobre a questão financeira, sobre a saúde e sobre o culto a personalidade respectivamente. Preste bastante atenção neste tema, pois ele faz parte do ensino de muitas seitas evangélicas e é defendido e divulgado através de pregações de homens que se dizem de Deus.

A prosperidade financeira
A teologia da prosperidade afirma que todo cristão deve ganhar bem e jamais passar qualquer tipo de aperto financeiro; afirma ainda que aqueles que não são bem sucedidos financeiramente; estão debaixo de maldição, ou não tem fé; ou ainda não aprenderam que precisam determinar e não aceitar a pobreza.
Dizem os pregadores da prosperidade que aqueles que não aceitam esta doutrina, pregam um Evangelho de misérias e vivem derrotados.
Até que ponto estas declarações e ensinos são verdadeiros? Vamos passar agora a analisar a questão financeira a luz da Bíblia.

O contraste entre as bênçãos para Israel e as prometidas para a Igreja.
Por qual motivo, quando é mencionado um personagem próspero, este personagem está no Antigo Testamento? Simples: Deus prometeu bênçãos na Terra para a nação de Israel, mais para a Igreja está reservado o céu (Ef 1.3), coisa muito superior!
Abraão, Isaque, Jacó, Daniel, Davi, Salomão, etc... ; todos estes personagens estão no Antigo Testamento e pertenciam à nação de Israel, entretanto, quando olhamos para a Igreja, vemos justamente o oposto. Observe At 3.1-8; I Co 1. 26-31; II Co 6. 4-10.

Pouquíssimos ricos entregam a vida verdadeiramente a Cristo! Na realidade, é raro isto acontecer.

  

 Jesus disse que é mais fácil um camelo entrar pelo buraco de uma agulha (porta estreita existente nas muralhas que rodeavam as cidades) do que um rico entrar no reino dos céus( Mt 19. 16-30)! Nesta passagem vemos que o coração daquele homem era tão preso aos bens materiais que o impediram de seguir a Jesus.
Todo o ensino de Jesus nos Evangelhos deixa bem claro que não devemos nos apegar as coisas desta vida (Mt 6.19- 33; Lc 12. 13-21).

Incentivando a avareza!
O amor ao dinheiro é chamado de avareza, aquele que ama ao dinheiro o tem por primeiro em sua vida; seus alvos e objetivos giram sempre em torno de adquirir para si mesmo grande quantidade de bens. Quem ama o dinheiro quer sempre mais, nunca se conforma com o que tem; se ele tem um carro, ele quer um avião; se tiver uma casa, quer uma fazenda e assim vai, sempre querendo mais! Para este não importa se o irmão está necessitado. A avareza é uma forma de idolatria (Cl 3.15) e a teologia da prosperidade gera homens avarentos! Esta teologia incentiva tanto à prosperidade financeira quanto torna as pessoas escravas do dinheiro. Leia Mt 6.24.

O dinheiro na Bíblia
A Palavra de Deus deixa bem claro que o amor ao dinheiro é a raiz de todo mal! I Tm 6.10(a).
Podemos ver este princípio nitidamente no mundo. Grandes empresas por amor ao dinheiro destroem o meio ambiente, políticos permitem certas coisas em troca do dinheiro, autoridades são corrompidas por amor ao dinheiro, guerras existem devido ao grande desejo por dinheiro. No mundo isso não é de espantar, mais quando vemos este princípio na igreja, isso nos deixa perplexos!
Devido ao amor ao dinheiro no coração de alguns que se dizem irmãos a igreja sofre, irmãos vivem necessitados, a obra de evangelização e missões não é realizada e almas estão deixando de ouvir a Palavra de Deus.
Analisando o texto de ITm 6.3-11, podemos perceber algumas verdades importantes:
O Evangelho não deve ser visto como fonte de lucro, como muitos pastores fazem hoje em dia (v.5). Veja ainda o texto de II Pe 2. 1-3 (especialmente o v.3[a] )
O lucro que temos na obra de Deus é espiritual(v.6)!
Para recebermos a recompensa de Deus no futuro, precisamos aprender a nos contentarmos com o presente (v.6-8).
Almejar a riqueza é um grande laço (v.9).
O amor ao dinheiro traz muitos outros pecados consigo(v.10).
O apego ao dinheiro leva ao fracasso espiritual(v.10).
Devemos fugir desta busca pelo sucesso financeiro(v.11), e buscarmos coisa superior ainda mesmo nesta vida, que são a justiça, piedade, fé, amor, paciência e mansidão.
Paulo continua o raciocínio em I Tm 6, orientando a Timóteo que a recompensa dele virá quando Cristo voltar (v.12-16) e logo depois aconselha àqueles que possuem bens, a não confiarem em suas riquezas incertas, mais sim, a guardarem riquezas no céu, estando prontos a praticarem a fé (v.17-19).

 O exemplo de Jesus
Andam dizendo por aí que Jesus era muito rico e que entrou em Jerusalém montado em um jumento zero Km. Dizem ainda que por Jesus ser rei, nós somos filhos do rei e, portanto, devemos ter do bom e do melhor.
Primeiramente acho que na Bíblia dos mestres da prosperidade não existe o texto de Zc 9.9, que afirma ser Jesus um rei justo, salvador e humilde. Este foi um dos motivos pelos quais os judeus não o receberam, pois esperavam um messias/rei, forte, com um grande exército armado, envolto de riquezas, aos moldes dos antigos reis de Israel; um rei que os libertasse das mãos dos romanos.
Também quero deixar claro para os ignorantes que o transporte dos ricos eram carruagens e camelos. As pessoas também andavam a cavalo. Os reis eram acompanhados por comitivas e caravanas, à frente deles vinha o arauto e geralmente o rei era acompanhado de uma guarda. Jumento era animal de carga!
Deveriam os mestres da prosperidade, rasgar de suas Bíblias textos como o de Fp 2.5-11 que mostra a humildade de Jesus e o seu amor, que o levou a abdicar de tudo por amor a cada um de nós!
Deveriam ainda eliminar o texto no qual Jesus afirma que o seu reino não é deste mundo ( Jo18.36). Somos filhos do rei! Sim, verdadeiramente somos filhos do Rei dos Reis e Senhor dos Senhores, entretanto, o seu reino não é deste mundo! Um dia reinaremos com ele, mais enquanto isso precisamos participar por um pouco de tempo, das suas aflições!

Laodicéia
Na Bíblia vemos no livro do Apocalipse a carta endereçada a igreja de Laodicéia como símbolo da Igreja que não será arrebatada. Encontramos Laodicéia estampada na cara de certas igrejas e pastores nos dias de hoje; estão enriquecidos e se vangloriam das suas riquezas (Ap 3.17).

Conclusão:
Meus amados; aprendemos hoje que a busca desenfreada pela prosperidade financeira é um incentivo a avareza e que esta, por sua vez, é uma forma de idolatria. Vimos também que o ensino de Jesus é contrário ao ensino dos mestres da prosperidade.
Estudamos ainda nesta aula que a Igreja é composta em sua grande maioria por pessoas simples e que o próprio Jesus era simples e humilde. Devemos seguir o exemplo de Cristo.
Por fim, estudamos o que a Bíblia fala sobre o dinheiro em ITm 6.3-19.
Queridos, que o Senhor nos guarde de toda e qualquer espécie de avareza para que, como Laodicéia, não sejamos reprovados por Deus!
Na próxima aula continuaremos o estudo sobre a Teologia da prosperidade.