Voce está em: Estudos Bíblicos - Heresias nas Igrejas

ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 2005
TEMA: HERESIAS NAS IGREJAS; O FALSO EVANGELHO!
AULA Nº 9
ASSUNTO: MODISMOS: I) OS DENTES DE OURO- PARTE 2/ CORRIGINDO AS DISTORÇÕES

Texto: Jo 20.30,31
Introdução:
Continuando o assunto: “Dentes de ouro”; iremos refutar algumas distorções feitas pelos adeptos deste modismo, confrontando com o texto sagrado. Estas distorções ferem as regras de hermenêutica bíblica e não podem subsistir diante de uma análise séria dos textos que estarão em pauta.

I) Jo 14.12
O primeiro texto a ser analisado é o encontrado no Evangelho segundo João, capítulo 14, versículo 12. Leia na sua Bíblia todo capítulo 14 antes de analisarmos.
Aqueles que crêem no “milagre dos dentes de ouro”, afirmam que este faz parte das maiores obras citadas no texto em questão. Segundo eles, da forma que interpretam o texto, faríamos coisas mais espetaculares do que os milagres que Jesus fez. Citam o exemplo da sombra de Pedro que, segundo afirmam, curava os enfermos. Afirmam também coisas do tipo: “Se Jesus ressuscitou um morto, podemos ressuscitar dois de uma só vez!”.
Vejamos então:

1)Primeiramente, logo “de cara” quero dizer que não fazemos nada de nós mesmos! O próprio Jesus afirma no mesmo Evangelho segundo João que sem ele nada podemos fazer Jo 15.5. Quem opera todas as obras em nós e através de nós é o Senhor Jesus! Desta forma seria tolice achar que podemos comparar o que fazemos com o que Jesus fez; não podemos separar desta maneira, como se fossem coisas diferentes. Jesus não fez; mais sim, ele faz ainda as mesmas obras através da nossa vida! Hb 13.8

2) Em segundo lugar, quero dizer que se a interpretação, que andam dando ao texto de João 14.12, fosse correta; será que ganhar obturações de ouro seria realmente algo mais maravilhoso do que ver um morto ressuscitar?

3)Em terceiro lugar quero deixar claro que não podemos confundir os milagres (sinais) com a obra de Jesus. Os milagres faziam parte da obra de Jesus, entretanto, não era esta a obra de Jesus. O Senhor não veio ao mundo para fazer milagres e sim para buscar o que estava perdido! Lc 19.10
Os milagres são uma parte do todo, cujo fim é a salvação dos homens!
Todos os milagres traziam um ensino que visava mostrar o desejo de Deus de salvar os homens; por exemplo: A cura do cego de nascença e a ressurreição de Lázaro mostravam que Jesus era o Filho de Deus e que crendo nele, teriam a vida eterna. Jo 20.30,31.
Devemos ter em mente sempre qual é a obra de Jesus. Vemos Jesus dizer isto claramente em  Jo 6.26-29 ,especialmente no v29 ; ora,  a palavra “OBRA” está relacionada com a vida eterna.

Se Deus deseja a salvação dos homens, e esta somente é possível através de Jesus; logo, o Pai deseja revelar o seu Filho, para que, crendo nele, tenhamos a vida eterna.
Todo Evangelho segundo João mostra claramente este princípio.

4)A expressão: “Obras maiores que estas” é mencionada anteriormente em Jo 5.20. Observando o contexto do capítulo 5 do Evangelho segundo João, percebemos que o termo “obras maiores” não se refere ao milagre em si, mais a ressurreição de Jesus que provaria quem ele era realmente; basta olhar o contexto posterior (vs 21-25).
Em outras palavras, os religiosos estavam espantados pelos sinais que Jesus fazia, especialmente, no caso citado no contexto, a cura de um paralítico. O espanto maior, entretanto, deveu-se ao fato de Jesus “quebrar o sábado”.Este sinal trazia um importante ensino; Jesus era superior ao sábado, pois ele era Deus! Os fariseus estavam com os olhos fechados e não conseguiam enxergar nos sinais a presença e a vontade de Deus (que cressem no seu Filho), então o Senhor afirma que, quando ele ressuscitasse, eles veriam uma obra maior ainda que revelaria a sua identidade divina e a conclusão da sua obra redentora.
Os milagres visavam mostrar quem era Jesus, mais a sua ressurreição, indiscutivelmente, seria a maior prova de sua divindade e, conseqüentemente, da remissão dos nossos pecados.

5) Analisando o versículo 12 de João 14, observamos que:
No v 8, Felipe faz uma pergunta que é respondida nos versículos seguintes. Felipe queria conhecer ao Pai, haja vista Jesus ter dito que iria para o Pai (vs1-6) e que ele próprio era o caminho. Jesus, após a sua morte, ressuscitaria e subiria ao Pai, tornando-se ao mesmo tempo o caminho para que todos chegassem a Deus.
Jesus afirma que ele e o Pai eram um (v10) e que o Pai é quem realizava as obras através dele. Que obras eram estas? Todo o conjunto que era realizado por Jesus que levava o homem a salvação (o desejo de Deus). Em sua oração sacerdotal em Jo 17.4, o Senhor fala em consumar a obra da redenção através da sua morte.
O Senhor afirmou que a sua obra era fazer a vontade do Pai , e a vontade dele era que nenhum se perdesse.
O motivo pelo qual faríamos obras maiores está no próprio versículo 12: “Porque Jesus ia para o Pai”; ou seja, iria morrer e ressuscitar, derramando o seu Espírito Santo que habitaria em nosso coração ( Jo 14.16-18,26; 15.26; 16.7-15), a obra redentora estaria feita e nós seríamos instrumentos do Espírito para que esta obra se manifestasse a muitos homens, logo, estas obras seriam maiores, pois Jesus já teria ressuscitado, o Espírito Santo habitaria em nós e muitos ouviriam a mensagem da salvação e aceitariam. A amplitude seria maior, mais Jesus agiria em nossa vida.
Resumindo: Não tem nada a ver com milagres mais fabulosos este texto.
Se a obra de Deus é a salvação, tudo o que Jesus fez é parte do contexto da salvação, pois ele veio para fazer a vontade do Pai; sua encarnação, ministério, ensino, pregação, milagres, morte, ressurreição, derramar do Espírito Santo na vida do cristão e a pregação do Evangelho para a salvação daquele que crer.
Obras maiores porque a subida de Jesus antecederia a descida do Espírito Santo que habitaria em nosso coração e nos capacitaria a levar a mensagem da salvação!
Esta mensagem seria acompanhada dos mesmos sinais para mostrar que Jesus é o Filho de Deus e salvador do mundo!

II) Am 4.6
Passaremos agora a analisar o segundo texto:
Basta apenas ler todo o versículo para perceber que se trata de algo ridículo, relacionar este texto com os dentes de ouro. Não tem absolutamente nada a ver!
O texto fala do castigo que veio sobre Israel devido à desobediência.

III) At 13.40,41
Como no anterior, a refutação esta apenas em se prestar à atenção ao contexto.
A referida obra predita pelos profetas estava declarada em Hc 1.5-11, ou seja, Judá devastado pela Babilônia!
Em outras palavras, Paulo estava querendo dizer que se não aceitassem a Cristo, aquela nação seria novamente destruída! Este fato cumpriu-se no ano de 70dc.

Conclusão:
Não há base bíblica para os milagres das obturações de ouro. As distorções encontradas nos textos analisados na aula de hoje são exemplos clássicos de erros gritantes de hermenêutica.

Pr. Ricardo Correia de Mattos