Voce está em: Seminário de Escatologia - Escatologia geral

Semente da Vida Igreja Evangélica
Departamento de ensino
Estudo Bíblico
Tema: Escatologia

Autor: Pastor Ricardo Correia de Mattos

1ª Parte/Aula 12
Escatologia geral – Milênio, Juízo Final e Eternidade

XII- Milênio, Juízo Final e Eternidade
Estamos quase encerrando a primeira parte do nosso estudo de escatologia. Nesta última aula aprenderemos sobre o Milênio, o Juízo Final e por último, a eternidade.
Procurarei expor estes assuntos separadamente para facilitar a compreensão do leitor.

1º Tópico – O Milênio
O Milênio será um período de mil anos literais (Ap 20.4-7) no qual Jesus Cristo reinará também literalmente em cumprimento as promessas feitas por Deus a Israel através das alianças com Abraão(Gn 12.1-3) e Davi (II Sm 7.12,13,16). O Milênio também é um cumprimento das profecias preditas por intermédio dos profetas nas escrituras do antigo Testamento (Is 11.4-9; 60.1-62.12; Zc 14.6-9; 16-21), portanto, todas as doutrinas que apresentam o Reino como algo apenas espiritual ou simbólico, bem como os falsos ensinamentos de que já estamos no Milênio são falsos!
O Reino de Cristo será eterno, porque quando o Milênio se findar, o Reino do Senhor continuará para todo o sempre!
Satanás deseja destruir Israel, pois sabe que Jesus virá reinar em Jerusalém e Israel será o primeiro dentre todas as nações da Terra.
No Milênio será tirado das mãos dos homens o governo das nações e Jesus será o Rei sobre toda a Terra (ICo 15.24,25). Este período corresponde a sétima e última dispensação antes da Eternidade e começará logo após o Juízo das Nações.
Jerusalém será a sede do Reino na Terra; a capital de Israel e do mundo, em cumprimento a Is 2.2-4; 4.2-3;  Jl 3.17-20; Mq 4.1-8.
Israel como nação será plenamente restaurado em toda terra prometida Gn 15.18.
         Na volta de Jesus em glória, haverá o juízo das nações e as ovelhas dentre as nações hão de gozar o milênio (Mt 25.34) e servirão ao Senhor (Zc 14.16).
A Terra, que havia sido destruída na Grande Tribulação, será reconstruída e a população que foi drasticamente reduzida, logo será abundante, devido às condições favoráveis do Milênio. Isto inclui também Israel.
Repare bem que o Antigo Testamento traz mais detalhes sobre o Milênio do que o Novo Testamento, isto se deve ao fato do Milênio ser uma promessa referente a Israel e as bênçãos do Milênio se estenderão sobre as nações da Terra partindo do governo de Jesus em Israel.

A)-Vejamos agora algumas observações a respeito deste período:
1-Jesus governará com poder sobre toda a terra junto com os seus santos (Zc 14.9; II Tm 2.12; Ap 2.26,27; 5.9,10; 12.5; 19.15; 20. 4,6). Tudo estará sujeito ao Senhor Jesus.
2-Todas as nações irão a Jerusalém adorar ao Rei (Zc 14.16). As nações que não obedecerem e forem rebeldes sofrerão represálias (Zc 14.17).
3-Será um governo perfeito de justiça e paz; e de Jerusalém virá a Lei. (Is 11.3-5; 32.15-17; Mq 4.1-4).
4-Os homens viverão muitos anos (Is 65.19-23; Zc 8.4,5).
         5-A ferocidade dos animais será tirada (Is 11.6-8; 65.25).
         6-Toda terra conhecerá o Senhor (Is 11.9).
         7-A maldição sobre a terra será retirada (Gn 3.17-19; Sl 72.3-17; Rm 8.19-22) e haverá fertilidade na terra (Is 30.23; 35.1,2,7; 41.18-20; Am 9.13,15).
         8-As armas serão transformadas em ferramentas, ou seja, não haverá guerras (Is 2.4).
9-Os velhos terão prazer (Is 65.21,22).

Durante o milênio ainda haverá morte na Terra, pois os seus habitantes não estarão em corpo glorioso; entretanto, a morte será exceção e não regra e terá um caráter punitivo pela desobediência e rebeldia (Is 66.20).
O homem será provado pela última vez em condições favoráveis como nunca houve antes. Haverá Paz na Terra; bênçãos; a Terra será cheia do conhecimento do Senhor; a lembrança da Grande Tribulação servirá de alerta e referência; o problema do pecado estará bem claro e não haverá influência espiritual externa que leve o homem à tentação.
Os filhos dos povos que nascerem durante o Milênio e não passaram por sofrimentos e pela influência de Satanás, não experimentaram a maldição sobre a Terra e tiveram uma vida próspera; logo reclamarão e passarão a servir ao Senhor por obrigação como Rei, mas não o considerarão como Senhor. Quando Satanás for solto; encontrará em seus corações um terreno fértil para a sua revolta final.
        
B)- Como estará a Igreja no Milênio e qual o seu papel?   
         A Igreja estará glorificada na Jerusalém Celeste; a habitação eterna da Noiva do Cordeiro e reinamos com o Senhor. (Jo14.2,3; Gl 4.26,27; Cl 3.4; I Pe 5.1; Ap 21.2,3,23-27; 22.1-6).
Durante o milênio, esta maravilhosa cidade estará acima da Terra, como uma estrela e resplendor da Glória de Deus. Jerusalém terrestre continuará existindo na Terra e os homens a ela virão para adorar a Deus e verão Jerusalém celeste brilhando com a Glória de Deus.
A cidade é uma grande luz, luz que não perde o seu brilho e nenhuma sombra ofuscará o seu fulgor, nenhuma nuvem a encobrirá e os reis da terra levantarão os seus olhos e saberão que aquela Glória vem do Cordeiro e de sua Igreja.
A Nova Jerusalém é a habitação do Cordeiro e da Igreja, mas Jesus reinará sobre a Terra e, em especial, sobre Israel, ocupando o trono de Davi. A Igreja (o povo especial do Senhor Tt 2.14) participará do seu Reino.
Os santos estarão em um corpo glorioso adaptado para a vida no céu e superior as leis da física; não sabemos os detalhes sobre este corpo, ou de que forma a Igreja participará deste reino, sabemos apenas aquilo que o Senhor nos revelou em sua Palavra, a saber: Teremos um corpo glorioso; espiritual; incorruptível; imortal (I Co 15.42-44; 53,54) e reinaremos com Cristo. Sabemos também que o Senhor Jesus, após a sua ressurreição, passou quarenta dias na Terra e apareceu aos seus discípulos e a vários irmãos (I Co 15.1-8); andou (Lc 24.15), apareceu repentinamente dentre eles estando as portas fechadas (Jo 20.19,20), foi tocado (Mt 28.9; Lc 24.36-40) e comeu com eles (Lc 24.41-43). Teremos igualmente um corpo glorioso (Rm 8.29,30; I Co 15.49; I Jo 3.2), sem limitações e superior a matéria (Lc 24.15,30,31,36-43; Jo 20.19,26,27; Jo 21.4-14; Fp 3.21).

Não podemos querer descobrir detalhes os quais Deus não nos revelou; para isso devemos saber apenas que existem realidades que a nossa mente jamais poderá imaginar por serem coisas sublimes e inexistentes nesta vida, as quais homem algum ou a nossa própria experiência pôde vivenciar ou ao menos ver. Dt 29.29

C)- Qual o papel de Israel no Milênio?
Israel também é um povo especial para Deus, e terá uma missão exclusivamente terrena (Dt 7.6).
Israel acolherá a Jesus como Senhor e Messias; Rei dos reis e Senhor dos senhores (Zc 12.10; 13.6; 14.8,9,16,20,21). Será a nação líder do mundo (Is 28:13). As nações procurarão em Israel as bênçãos do Senhor ( Zc 8. 22, 23).
A sede do culto ao Senhor na Terra será Jerusalém. Os cultos não terão a finalidade de sacrifícios para bênçãos ou como tipos visando profecias futuras, e sim, como memoriais. É como se fosse a ceia para nós hoje.
Os Judeus e gentios vivos que entrarem no milênio, estarão no mesmo corpo que temos hoje, ou seja, não estarão em um corpo glorioso, logo, poderão multiplicar e encher a Terra novamente.

D)- O fim do Milênio
Após os mil anos satanás será solto por um pouco de tempo (Ap 20.1-3,7). O Diabo enganará a muitos (Ap 20.8,9). O Diabo reunirá as nações para a guerra de Gogue e Magogue, ou seja, reunirá os povos de uma extremidade a outra da Terra. O próprio Satanás será o líder desta Guerra.
Todos eles serão destruídos por Deus de forma sobrenatural (Ap 20.9).
Satanás será lançado no Inferno e será atormentado de dia e de noite para todo o sempre (Ap 20.10).
Tudo isso mostra que o homem, quando não nasce de novo, permanece em estado adâmico, e até debaixo das melhores condições de vida, é capaz de virar as costas para Deus.

2º Tópico – Juízo Final.
O Juízo Final (também chamado de Juízo do Grande Trono Branco) acontecerá após o Milênio e depois da Guerra de Gogue e Magogue. Não será um julgamento para Deus descobrir a intenção do homem, mas sim, para deixar tudo “às claras” diante dos homens. Deus abrirá os livros por causa da sua justiça, pois na verdade já estão julgados, devido aos seus atos. Não creram naquele que Deus enviou. O juízo existe para Deus mostrar a sua retidão aos homens e revelar o coração de cada um.
Após a guerra de Gogue e Magogue, antes do início do Julgamento Final, quando houver a manifestação do Grande Trono Branco, a Terra será totalmente desfeita (Ml 4.1; II Pe 3.7-13). Este céu e esta Terra não existirão mais (Ap 21.1), portanto, o Juízo do Grande Trono Branco não será nesta Terra nem tão pouco neste céu que agora vemos, haja vista eles não mais existirem (Ap 20.11).
Este Julgamento final será para todos os homens que viverão desde a criação e que não ressuscitaram na 1ª ressurreição. Todo aquele que ressuscitar na 2ª ressurreição após o fim do Milênio, comparecerá diante do Grande Trono Branco e será julgado conforme as suas obras e o registro no Livro da Vida (Dn 12.2; Jo 5.29; At 24.15; Ap 20.5,6,11-15), e, após julgados, serão condenados. Aqueles que não forem achados inscritos no livro da vida, irão para o lago de fogo e enxofre (Ap 20.15).
Os ímpios ressuscitarão em um corpo imortal sem Glória, adaptado para a morte eterna. O corpo do ímpio apesar de ser inextinguível sofrerá o dano da morte eterna.
Sabemos que haverá um julgamento justo (Ap 16.7), no qual Jesus será o Juiz e os salvos participarão do júri. Até os anjos serão julgados! (I Co 6.2,3).
Podemos resumir a ordem dos acontecimentos partindo milênio da seguinte forma:
1º- Fim dos mil anos
2º- Satanás é solto
3º- Os ímpios se juntam dos quatro cantos da Terra sob a liderança de Satanás e partem contra os santos na guerra final de Gogue e Magogue;
4º- Deus destrói o exército dos ímpios com fogo do céu;
5º- Satanás é lançado no inferno;
6º- Manifesta-se o Trono Branco e os Céus e a Terra deixam de existir; os vivos que permaneceram fiéis a Cristo como Rei durante o Milênio, serão transformados e arrebatados na manifestação do Grande Trono Branco e os mortos (ímpios, pois os salvos já ressuscitaram na 1ª ressurreição) ressuscitam num corpo sem glória e são arrebatados a encontrar o Trono Branco; serão julgados e condenados.
7º- Inicia-se o Juízo Final. Serão julgados todos os homens que participaram da 2ª ressurreição e os anjos caídos.
8º- Os salvos vão para a vida eterna e os ímpios para o tormento eterno.

3º Tópico – O Estado Eterno

A – A eternidade para os salvos
Amados irmãos, grandes coisas o Senhor tem preparado para aqueles que o amam. A eternidade será um estado de Gozo e Paz perfeitos.
Deus criará novos Céus e nova Terra adaptados para a eternidade (Ap 21.1). A Nova Jerusalém estará nesta nova Terra e Deus habitará nela (Ap 21. 2,3). Veremos a face do Senhor para sempre e o serviremos (Ap 22.3,4).
Passaremos a eternidade com o Nosso Senhor! Aleluia!
Após o Juízo Final e a criação do novo Céu e da nova Terra, Deus introduzira os seus filhos na eternidade; tudo estará feito; ou seja, a restauração total dos Céus e da Terra e de todos os que nela habitam. O problema do pecado e da morte jamais retornará! (Ap 21.5-7).

B – A morte eterna para os ímpios
Irmãos, como será terrível o tormento daqueles que forem condenados! Os ímpios serão lançados no lago de fogo e enxofre, onde sofrerão eternamente juntamente com Satanás; a Besta; o falso Profeta e todos os anjos caídos. No inferno, os ímpios estarão conscientes (Mt 24.51; Mc 9.43-48) e nunca mais sairão de lá (morte eterna); passarão a eternidade longe de Deus e sem Cristo.
O pior da condenação é nunca mais ver a Deus! Lembre-se de que a morte sempre consiste em separação (morte física é a separação da alma e espírito do corpo; morte eterna é a separação definitiva entre Deus e o homem)!

Com este assunto estamos encerrando a primeira parte do nosso estudo de escatologia