Voce está em: Seminário de Escatologia - Análise do livro do Apocalipse

Seminário de escatologia - Parte IV
Análise do Apocalipse
Aula nº 19
Assunto: A eternidade futura

Análise dos capítulos 21 e 22

I- Introdução
Meus irmãos; nesta aula estaremos analisando os capítulos 21 e 22 do livro e encerraremos o estudo do Apocalipse. O assunto que iremos abordar e que abrange estes últimos capítulos é a eternidade.
Devemos recordar que o capítulo 20 terminou com o juízo final e a condenação definitiva (segunda morte) dos ímpios. Deus mostrou que o homem realmente necessita ser transformado em seu íntimo. Necessário é nascer de novo!
Aprendemos na última aula que mesmo sendo provado sob as melhores condições durante o milênio, no qual o próprio Senhor Jesus estará reinando pessoalmente na Terra, mesmo com o Diabo e todos os seus anjos estando acorrentados no abismo, mesmo com a Terra em excelentes condições e plenamente restaurada, mesmo com as recentes experiências negativas do governo do Anticristo; ainda assim, após os mil anos os homens mais uma vez juntar-se-ão para rebelar-se contra Deus e o seu ungido; porém, desta vez, aprendemos que o Senhor desce fogo do céu e consome todo o exército de Gogue e Magogue; Satanás é lançado no inferno para ser atormentado eternamente e o juízo final acontece com a condenação definitiva dos homens ímpios, estes são lançados no inferno e também serão atormentados para sempre, banidos eternamente da presença de Deus na escuridão das trevas; esta será a segunda morte.
Agora que todas as coisas foram concluídas, Deus restaurará definitivamente o homem.
Os capítulos 21 e 22 seguem em ordem cronológica e falarão sobre a eternidade; entretanto, antes de começar a eternidade futura, a Terra que agora vemos e os céus serão destruídos para darem lugar a uma nova criação. A nova Terra será adaptada para a eternidade.
Podemos inserir entre o capítulo 20 do Apocalipse e o capítulo 21, o texto de II Pedro 3.1-13. Este texto mostra que os céus e a Terra serão destruídos (ver ainda Mt 24.35; Hebreus 1.10-12).

II- A Eternidade futura

II.1- Análise de Apocalipse 21.1-22.5

A)- 21.1-8

v.1,2- João viu...
A- Novo céu e nova Terra (repare que não é uma restauração dos antigos, mais sim uma nova criação)
B- Uma cidade literal- Nova Jerusalém
v.3- Nesta nova Terra, Deus habitará com os homens. A cidade de Deus é a Nova Jerusalém.

v.4- Neste versículo podemos observar as coisas que não existirão na eternidade.
As primeiras coisas se passaram, ou seja, tudo foi concluído, todo este período anterior à eternidade futura são as “primeiras coisas”.

v.5- Mais uma vez é mencionada a nova criação.
Estas Palavras são fiéis e verdadeiras; certamente tudo isto acontecerá!

v.6- Chegamos a conclusão de tudo.
Deus é o princípio de tudo, antes dele não há nada! Ele também é o Fim de todas as coisas, fora dele nada haverá.

v.7- Promessa para quem vencer- O livro é um consolo para tempos de aflição!
Herdaremos todas estas coisas!
Uma das maiores heranças: Sermos filhos de Deus!

v.8- Neste versículo vemos uma lista resumida de classes de pessoas que ficarão de fora desta nova criação, não receberão a vida eterna como herança e não herdarão todas as bênçãos contidas neste livro.
Covardes- Aqueles que negam a Jesus.
Incrédulos- Não creram em Jesus; não possuem fé
Abomináveis- Praticam coisas detestáveis, tal como a idolatria
Assassinos- Aqueles que matam, não necessariamente fisicamente
Impuros- Oposto de Santos- Aqueles que se sujeitam a qualquer forma de contaminação, seja no corpo, na mente ou no coração.
Feiticeiros- Aqueles que praticam uma forma de magia em que se usam certos atos e palavras e a invocação de espíritos (demônios) a fim de prever o futuro ou controlar pessoas ou acontecimentos. Lembro que a feitiçaria vai ainda mais além: Todo rebelde é como um feiticeiro (I Samuel 15.23)
Idólatras- Não apenas aqueles que adoram aos ídolos, mas também todos os que colocam algo acima de Deus em suas vidas. Em Colossenses 3.5, Paulo diz que a avareza é idolatria.
Mentirosos- O Diabo é o pai da mentira (João 8.44). Como pode um crente viver mentindo?

B)- Ap 21.9- 22.5-  A Nova Jerusalém
Nestes versículos o apóstolo João descreve a Nova Jerusalém. Nosso objetivo não será o de interpretar todos os símbolos usados em relação à cidade santa, visto que os mesmos são descritos com a principal finalidade de nos mostrar o estado eterno dos seus habitantes, mas sim o de dar uma noção de como será o estado de eterna glória dos salvos.
Tentar interpretar precisamente como será a cidade onde habitarão os salvos é certamente impossível, haja vista que falar de coisas celestes é extremamente complicado para seres limitados como nós, além de serem coisas inimagináveis e que transcendem a nossa compreensão; coisas jamais vistas por qualquer ser humano. A cidade e tudo o que nela há, foi preparada para receber homens glorificados que viverão eternamente.
João nos dá apenas uma “pinceladinha” de tudo o que nos espera...

A cidade também é chamada de noiva e esposa. Se os seus habitantes pertencem ao Senhor, logo, toda a cidade lhe pertence. A cidade representa o todo, ou seja, os seus habitantes.
Em nossos dias também usamos este tipo de linguagem. Exemplo: Quando falamos que a cidade de São Paulo está sofrendo com a poluição, logicamente estamos nos referindo aos seus habitantes.
A cidade é literal, não é uma figura, mas realmente ela existe!
Viver na glória, não é apenas viver em um lugar; quando falamos que vamos para a glória isto é muito mais profundo do que ir para um determinado lugar, embora saibamos que exista um lugar preparado para os salvos, mas a Glória, mais
 que um lugar, também é um estado, uma condição que atingiremos e que abrange muitas coisas.

v.11- A pedra de jaspe é transparente, tal como um cristal, isto mostra a santidade dos habitantes da cidade e a glória que nela há.

v.12-27- Sua muralha simboliza a segurança da salvação.
É digno de nota o comentário sobre as 12 portas e os 12 fundamentos:
A porta é o lugar por onde se entra e o fundamento é o que sustenta a casa.
São doze portas e não apenas uma ou duas, pois a salvação estava ao alcance de todos. Estas portas estavam em todas as direções, pois o acesso foi para todos os povos.
Não podemos falar de porta sem lembrarmos de Jesus; ele é a porta para a salvação, ele é Deus, mas se fez homem. Como homem veio da descendência de Abraão e Davi; ele era judeu! Não haveria salvação se o Verbo não se fizesse carne e habitasse entre nós; por isso a contribuição da nação é lembrada eternamente nas doze portas através do nome das doze tribos de Israel.
O fundamento nos lembra de Cristo também. Ele é a pedra principal, através dele veio a graça salvadora. Cada fundamento foi posto pelos apóstolos através da Palavra inspirada por Deus. O tema das Escrituras é Jesus Cristo!
As pedras do fundamento nos lembram do peitoral sacerdotal. Isto mostra o sacerdócio eterno dos crentes, ou seja, o eterno serviço dos salvos diante de Deus.
A dimensão da cidade é algo incomparável. Um estádio era igual a 178m. O estádio romano era de 185m e o grego de 189m. Considerando-se o estádio romano; 12.000 estádios correspondem a 2.220 Km; entretanto, a cidade é medida em três dimensões (comprimento, largura e altura). A simetria igual mostra a sua perfeição.
Alguns detalhes importantes:

  1. Não havia templo- Deus estará presente.
  2. Não havia sol nem lua- A glória de Deus a ilumina e o Cordeiro é a sua lâmpada.
  3. Será a capital da nova Terra. Repare no versículo 24 que na nova Terra existirão nações.
  4. Suas portas sempre estarão abertas, ou seja, todos terão acesso ao Senhor.
  5. Nada de mal entrará nela. Somente terão acesso os salvos.

22.1-5- Assim como as águas de um rio trazem vida e irrigam a Terra, o Rio da água da vida lembrará a vida eterna que emana de Deus e do Cordeiro.
A Árvore da Vida nos lembra do Édem e mostra-nos a vida eterna. Os doze frutos são produzidos mês a mês, ou seja, a Árvore não para de frutificar, lembrando a vida eterna recebida pelos salvos. Embora na eternidade não exista contagem de tempo, a linguagem do texto muitas vezes é usada para que compreendamos as coisas espirituais.
Não vemos mais a árvore do conhecimento do bem e do mal; como dizia um poeta: “A árvore cujo fruto trouxe a morte, secou-se na cruz!”.
Mais detalhes importantes:
1- Veremos a face do Senhor
2- Reinaremos com Cristo para sempre.

III- A veracidade do livro (v.6,7)

v.6- O conteúdo do livro é fiel e verdadeiro.
Se Deus enviou o seu anjo para revelar o conteúdo do livro, significa que ele deve ser lido e estudado!
As coisas que em breve devem acontecer. Lembre-se que para o Senhor um dia é como mil anos. Leia II Pedro 3.1-13

v.7- Jesus está voltando (certamente hoje a nossa redenção está mais próxima do que ontem)! Romanos 13.11
Existe uma bem-aventurança para quem guardar as palavras deste livro.

IV- Admoestações e últimas promessas (v.8-17)

v.8- Mais uma vez é dito que João é o autor do livro

v.9- Ver Ap 19.10

v.10- O livro não deve ser selado, ou seja, o conteúdo deve ser revelado. O motivo: O tempo está próximo!
Veja o contraste com Daniel 12.9. No caso de Daniel, ele viveu na época da Lei, o Espírito era dado por medida e o Messias ainda não havia se manifestado, ele não estava na dispensação da graça.
Em nossa época (mesma dispensação na qual viveu João, ou seja, Graça), a revelação da Palavra de Deus é mais profunda, visto que:
*  O Messias já se manifestou
*  O Cordeiro já foi imolado
*  A salvação se estendeu à todos os povos pela fé em Jesus Cristo
* O Espírito veio habitar no coração daquele que crê e recebemos da sua plenitude através de Jesus Cristo.
*  O mistério da Igreja foi revelado
*  Muitas coisas já se cumpriram, o que nos faz compreender melhor a profecia
*  Vivemos na última dispensação antes que o Senhor venha reinar
* A contar da morte e ressurreição de Cristo e a fundação da Igreja, iniciou-se a contagem regressiva para o cumprimento de todas as coisas.
A cada dia a salvação está mais próxima; por isso o livro serve para consolo, edificação e alerta para os salvos; portanto, deve ser lido e conhecido.

v.11- As palavras deste versículo mostram que independentemente das atitudes do homem, a Palavra se cumprirá. O versículo nos mostra também que a injustiça e a impureza continuarão a aumentar até o fim; ao passo que, quanto mais o tempo avança, mais o Crente deve buscar a justiça e a santidade.
Os ímpios cada vez mais mergulham na sua impiedade e o Senhor os entrega às suas próprias paixões como punição pelos seus desejos e pecados.
Em Romanos 1 podemos observar que uma forma de Deus punir o homem é entregando-o aos seus próprios pecados. Veja as três coisas às quais os homens foram entregues por Deus:
Romanos 1:24  “Por isso, Deus entregou tais homens à imundícia, pelas concupiscências de seu próprio coração, para desonrarem o seu corpo entre si;”
Romanos 1:26  “Por causa disso, os entregou Deus a paixões infames; porque até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas por outro, contrário à natureza;”
Romanos 1:28  “E, por haverem desprezado o conhecimento de Deus, o próprio Deus os entregou a uma disposição mental reprovável, para praticarem coisas inconvenientes,”
Aos crentes cabe cada vez mais, visto que o fim se aproxima; santificar a vida e praticar a justiça.

v.12- Mais uma vez o Senhor promete voltar em breve. Desta vez ele promete trazer a retribuição para cada um. Veja o texto abaixo:
Romanos 2.5-11: “Mas, segundo a tua dureza e coração impenitente, acumulas contra ti mesmo ira para o dia da ira e da revelação do justo juízo de Deus, que retribuirá a cada um segundo o seu procedimento: a vida eterna aos que, perseverando em fazer o bem, procuram glória, honra e incorruptibilidade; mas ira e indignação aos facciosos, que desobedecem à verdade e obedecem à injustiça.
Tribulação e angústia virão sobre a alma de qualquer homem que faz o mal, ao judeu primeiro e também ao grego; glória, porém, e honra, e paz a todo aquele que pratica o bem, ao judeu primeiro e também ao grego. Porque para com Deus não há acepção de pessoas.”.

v.13- As palavras foram ditas por Jesus

v.14- Somente tem a vida eterna aquele que crê em Jesus Cristo e torna-se participante do seu sacrifício.

Na lista do versículo 15 é acrescentado os cães.
O cão volta ao próprio vômito, isto nos lembra daqueles que se apostatam da fé e retornam as mesmas imundícias.

v.16- Mais uma vez a veracidade e a certeza do cumprimento das profecias estão no próprio Senhor que as revelou para às Igrejas. Ele cumprirá, pois:
É a raiz de Davi (Is 11.1). Somente ele possui as credenciais necessárias para cumprir todas as promessas.
Como a resplandecente Estrela da Manhã, que permanece no céu após a noite; ele próprio é o cumprimento da sua promessa. Ele permanece; ele está vivo e ressuscitou! Não somente ele cumpre; como também se cumpre nele todas as coisas.

v.17- Devemos desejar ardentemente a vinda do Senhor. Este é o desejo de um coração onde habita o Espírito Santo!

V- Últimas palavras e bênção - Ap 22.18-21
Advertências para o leitor do livro. v(s) 18 e 19

v.20- Mais uma vez o Senhor nos dá a certeza de que voltará em breve!
Que assim seja!
Devemos desejar e pedir por este retorno!

v.21- O livro se encerra com uma bênção. Aliás, este é o último versículo do Novo Testamento. Repare no contraste com o Velho Testamento que se encerra com a palavra maldição. (Malaquias 4.6).

Amados irmãos, terminamos com esta aula a análise do livro do Apocalipse. Quão maravilhoso é poder ler e estudar este livro. Como é sublime ver que o Senhor encerra toda a Escritura com a promessa da sua vinda.
Do mesmo modo que o apóstolo João, devemos desejar ardentemente a volta do Senhor. Pedir pela volta do Senhor é ter vontade de estar juntinho dele; é desejar estar livre de tudo o que impede a nossa comunhão plena; é não se conformar com este mundo.

 Que este estudo possa auxiliar na meditação de tão importante livro, e que o Apocalipse seja um conforto para a sua alma nos momentos de aflição, mantendo fixo o olhar naquilo que nos está reservado.

Deus abençoe a todos!