Voce está em: Seminário de Escatologia - Análise do livro do Apocalipse

Seminário de escatologia - Parte IV
Análise do Apocalipse
Aula nº 16
Assunto:
Capítulo 18- A Babilônia política

Introdução:
Amados irmãos; o capítulo 18 do livro do Apocalipse encerra o último parêntese do mesmo. Nele estaremos estudando sobre a Babilônia política.
Repare na antiga Babilônia:
Um louvor, uma língua: Gn 10.8-14; 11.1-9.
Nos primórdios da Babilônia buscou-se um culto próprio, uma unidade religiosa mística, um único reino e um governo centralizado nas mãos de um único homem; uma falsa unidade em desafio a Deus. O Senhor jogou por terra todo intento maligno daquele povo e os dispersou pela Terra.
 Lembro aos leitores que a Babilônia é símbolo de degradação moral; ocultismo; idolatria e rebelião contra Deus (ver comentário completo na aula nº 14 sobre a Babilônia).
A cidade da Babilônia foi a capital de um grande e próspero império que emergiu entre 629ac e 626ac aproximadamente, e caiu sob o domínio Persa em 536ac. A região correspondente à antiga cidade localiza-se atualmente onde é o Iraque (no sul do seu território).                
Podemos notar no Novo Testamento que “Babilônia”, pode ter três sentidos simbólicos diferentes, a saber:
Geograficamente:
A cidade de Roma atualmente é simbolizada pela Babilônia; lá está a sede da falsa igreja e estará a sede do governo do Anticristo.
Espiritualmente (Babilônia Religiosa): Conforme estudamos na aula anterior; a falsa igreja ecumênica sob a bandeira do catolicismo romano com todos os seus rituais da religião mística da antiga Babilônia. A sede da Babilônia religiosa é Roma!
A Babilônia religiosa busca um só louvor e uma religião ecumênica. Ap 17
Politicamente: Estudaremos nesta aula. Será o sistema econômico e político mundial, cuja sede estará em Roma.
A Babilônia política busca um mercado unificado e um governo mundial. Ap 18

II- Análise de Ap 18.1-24 (A Babilônia política).
Enquanto que a Babilônia religiosa já está em formação em nossos dias e se manifestará no início da tribulação, sendo destruída na metade dos sete anos, visto que a Besta exigirá o louvor e adoração para si mesma; a Babilônia política, que igualmente já esta tomando forma através da integração do mercado mundial, da globalização e da formação de grandes blocos econômicos, será destruída diferentemente da religiosa, pois a sua ruína total acontecerá apenas no final da tribulação pelos efeitos dos flagelos derramados sobre a Terra (Veja Ap 16.17-21).
Observamos a queda literal (física) da cidade com a sua total destruição e o conseqüente desmoronamento do sistema monetário mundial juntamente com a queda da sede do governo mundial.
v.1-3- É anunciada a queda da cidade da Babilônia (perfeitamente identificada com Roma).
Nesta época a sede do mercado mundial estará na capital do império: Roma.
Caindo a sede, desmorona-se e desestrutura-se todo o restante.
Lembram da confusão quando as torres gêmeas ruíram? Você já reparou a desestabilização que ocorre no mercado mundial quando a bolsa de Nova York despenca? Atualmente a sede do comércio está nos EUA, entretanto, durante a tribulação estará na Europa.
Assim como a Babilônia espiritual é um mistério e está presente nas religiões, principalmente no catolicismo, a Babilônia política está misteriosamente presente no mercado mundial.
Os mercadores enriqueceram à custa da sua luxúria. Podemos perceber que sempre uma minoria é beneficiada com o sistema financeiro mundial, com o capitalismo consumista e desenfreado. Os ricos ficam cada vez mais ricos e os pobres são cada vez mais explorados!

v.4- Haverão pessoas que crêem em Deus e estarão na cidade; será dado oportunidade para que se retirem antes da ruína total da cidade.
Babilônia é muito mais do que apenas a cidade de Roma, ela representa todo sistema corrupto mundial, cuja sede é Roma, a capital do último império humano.
O aviso nos lembra os dias de Ló em Gn 19.1-29, mas também serve de alerta para os nossos dias, pois, como cristãos, devemos nos apartar de toda corrupção do mundo! (I Co 15.33; Cl 12.2; I Ts 5.22).

v.5-8- Roma, durante anos foi a capital do império romano. Em seus dias, inúmeros cristãos foram mortos, perseguidos e torturados pelo governo. Vários judeus também foram mortos.
Como sede do catolicismo apóstata, a cidade continuou sendo o centro da perseguição religiosa que culminou com o martírio de inúmeros irmãos. O chão da cidade está marcado com o sangue dos nossos irmãos.

O Coliseu romano (figura ao lado) guarda dentro de suas paredes uma história de maldade, mortes, torturas e sofrimentos; lugar onde o sangue dos nossos irmãos foi derramado.

Judeus também foram perseguidos e mortos pela igreja católica.
Nos dias da tribulação, será a sede do governo mundial que buscará a destruição de Israel.
“Em um só dia”...
Em um só dia o Estado de Israel voltou a existir;
Em um só dia o muro de Berlim ruiu;
Em um só dia a União Soviética desmoronou;
Em um só dia a cidade de Roma cairá! Isto mostra que serão as mãos de Deus! (v.8)
9-20- Continua a lamentação daqueles que viveram ricamente e lucraram com o sistema político e econômico.
Com a ascensão do império do Anticristo, a cidade de Roma transformar-se-á na capital de todo império, tornando-se riquíssima e centro das transações políticas e monetárias.
Notemos que a destruição da cidade será sobrenatural, fulminante e repentina, marcando a queda do governo e comércio mundial no encerramento da tribulação.
Todos os governantes que buscaram o lucro e todos os que viveram à custa do sistema ganancioso que impera no mundo e que enriqueceram com o comércio mundial e sua exploração selvagem vão se
 lamentar.
No versículo 13, repare que as almas são colocadas como parte da transação; isto nos mostra o quanto os homens se envolvem pela ganância, pelo dinheiro e pelo desejo de poder. Leia I Tm 6.10.
No versículo 18, A mesma soberba da antiga Babilônia é vista ainda em Roma com a frase: “Que cidade se compara à grande cidade?”.
No versículo 20, a comemoração se deve ao fato do Senhor ter feito justiça!

21-24- A destruição da Babilônia será definitiva; isto em todos os aspectos!
Na aula anterior vimos que a falsa igreja ecumênica apóstata e maligna foi completamente e definitivamente destruída. Os esforços humanos para se salvar se mostraram de uma vez por todas inúteis e toda religiosidade não pôde salvar o homem.
Roma, como cidade será completamente destruída e não mais existirá!
Todas as tentativas humanas de governo sem Deus serão definitivamente encerradas. Deus provará que o homem sem ele sempre caminhará para a sua própria destruição.
Será definitivamente desfeito todo sistema comercial e financeiro mundial juntamente com as suas injustiças e desigualdades.

Na aula seguinte voltaremos à ordem cronológica do livro e estaremos falando sobre a gloriosa volta do Senhor Jesus